Início > Virtualização > Considerações ao Virtualizar Servidores Executando Controladores de Domínio

Considerações ao Virtualizar Servidores Executando Controladores de Domínio

sexta-feira, 17 abr 2009 @ 11:54 PM Deixe um comentário Go to comments

De forma geral, para preservar a integridade do Active Directory de uma queda de energia ou de outra falha, o serviço Active Directory executa gravações unbuffered e tenta desabilitar o cache de disco em volumes onde o banco de dados e os arquivos de log do Active Directory estão hospedados.

Entretanto, quando a estrutura física envolve virtualização, estes recursos não são suficientes para manter a consistência do banco de dados do Active Directory. Seja ele Hyper-V, Virtual Server ou outras soluções de virtualização, as ressalvas resumidas abaixo devem ser consideradas durante todo o planejamento e consolidação servidores com Active Directory:

  • Quando um controlador de domínio é executado em um ambiente virtualizado, não devemos pausar ou salvar o estado do controlador de domínio por longos períodos de tempo.
  • Mesmo usando um ambiente de virtualização, um controlador de domínio do Active Directory requer backups do estado sistema regulares para se recuperar de uma operação acidental, falhas de hardware, falhas de software ou problemas ambientais.
  • Para reverter o conteúdo do Active Directory, devemos sempre usar a restauração do estado de sistema. O Active Directory não oferece suporte outros métodos para reverter o conteúdo do Active Directory.
  • Não deve-se usar sincronização de hora através dos serviços de integração em maquinas virtuais que estão configuradas como controladores de domínio. Em vez disso, deve-se usar o Windows Time Service (W32time).
  • Não deve-se usar differencing disk (VHDs) em máquinas virtuais que estão configuradas como controladores de domínio.
  • Não deve-se usar ou fazer um snapshot de um controlador de domínio.
  • Não deve-se usar o recurso de exportação de uma máquina virtual que esta rodando como controlador de domínio.
  • Não deve-se usar qualquer outro recurso de backup, save state em vez do backup suportado.
  • Dentre os FSMO o emulador primary domain controller (PDC), tem em geral maior carga de trabalho em relação aos demais operations master roles. Portanto, pode-se escolher usar um computador físico como PDC para uma melhor performance.
  • Servidores de Catalogo Global e Exchange: Controladores de Domínio configurados como servidores de catalogo global, pode apresentar cargas de trabalho superiores a outros controladores de domínio na rede. Portanto, por questões de performance, deve-se considerar usar um servidor físico em vez de máquinas virtuais para catálogos globais que prove serviço de diretório para Exchange servers.
  • Para evitar pontos únicos de falha, as mesmas regras que se aplicam a um controlador de domínio que executa no hardware físico também se aplicam quando usamos máquinas virtuais.

Portanto, devemos ter em mente que a virtualização é uma poderosa ferramenta para os dias de hoje. Entretanto, ela é uma solução onde todas considerações inerente a um serviço ou produto em um ambiente virtualizado devem ser levadas em conta durante todo o planejamento e consolidação.

Jonildo Santos
MCT/MCITP

Categorias:Virtualização
  1. Luiz
    domingo, 19 jul 2009 @ 12:19 PM às 12:19

    Interessante artigo; estamos no processo de virtualização de alguns servers na empresa (15 no total) e terei mais atenção ao processo. Abraços

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: